fbpx
Google Ads ou Facebook Ads? Conheça as diferenças entre as duas maiores ferramentas de anúncios

Google Ads ou Facebook Ads? Conheça as diferenças entre as duas maiores ferramentas de anúncios

No início de 2018, o Facebook chegou a 2,13 bilhões de usuários em todo mundo, marcando um crescimento de 14% em relação ao ano passado. A cada segundo, 40.000 pessoas realizam uma busca no Google, o que significa um total de 3,5 bilhão de pesquisas realizadas por dia. Você já acessou o Facebook e o Google hoje? Provavelmente sim, não é? Então, com certeza o Google Ads ou Facebook Ads entraram em ação na sua navegação. Elas são as ferramentas de anúncios mais utilizadas para promover produtos, serviços, negócios e ideias. Afinal, se seu público está lá, as chances deles conhecerem sua empresa são muito maiores!

Mas, qual delas é ideal para anunciar o seu produto? Google Ads ou Facebook Ads? Existem muitas diferenças? Essas dúvidas são bastante comuns até mesmo para quem já está familiarizado com o mundo digital.

Sem dúvidas, combinar as duas ferramentas na sua estratégia digital é a melhor solução. Essa opinião é unânime entre os especialistas. Com cada uma delas cumprindo sua função específica, a campanha ganha muito mais força e os resultados são potencializados.

No entanto, sabemos que nem sempre o budget é suficiente. O objetivo e o produto são muito específicos ou – pasmem! – o seu público não está presente em uma das mídias. Bem, isso pode acontecer! Mas vale a pena conferir as principais diferenças para conseguirmos responder aquelas perguntinhas acima. 

Índice:

  1. Segmentação
  2. Etapa de Compra
  3. Objetivos e Formatos
  4. Resumindo

Segmentação

A segmentação nada mais é que a seleção que você fará para decidir quem deve ser impactado pelo seu anúncio. Você precisa encontrar o público certo, para ter certeza que ele responderá positivamente ao seu anúncio. No Google e no Facebook, elas são bem diferentes.

Google Ads

Uma das características mais marcantes dos anúncios do Google é a segmentação por palavra-chave. Quando fazemos a configuração das campanhas, precisamos imaginar o que o cliente digitaria para encontrar determinado produto. Por exemplo, se você é dono de um tele-entrega de pizzas em São Paulo, você provavelmente selecionará as seguintes palavras chaves:

  • Pizzaria São Paulo;
  • Pizzaria Delivery;
  • Tele entrega de pizza São Paulo;
  • E por aí vai!

É claro que é possível selecionar também as cidades, os horários, o sexo e a idade do público. Mas o anúncio só aparecerá para essas pessoas caso tenham pesquisado por aquelas palavras-chave.

Se você quiser aprofundar seu conhecimento sobre palavras-chave, acesse o material aqui.

Facebook Ads

Nós sabemos muito bem que o Facebook conhece a fundo as nossas preferências, não é? Isso já foi até motivo de polêmica. Mas, por ter acesso a tantas informações pessoais de seus usuários, a segmentação da ferramenta é feita através dos perfis de clientes.

É possível fazer a especificação por sexo, localização, faixa etária, interesses, profissão, renda, estado civil, páginas e grupos associados, entre muitos outros! Portanto, se o produto ou serviço que você oferece for voltado a um público específico, o Facebook Ads pode atingi-lo de forma certeira.

Confira nossas dicas para que você evite erros nas segmentações do Facebook!

Etapa de Compra

Sem dúvidas, a etapa de decisão de compra, que está ligada às segmentações que mencionei anteriormente, é a diferença mais nítida entre o Facebook Ads e o Google Ads.

Google Ads

Com o Google Ads, você consegue alcançar pessoas que estão efetivamente buscando por aquele assunto. Isto é, ao segmentar pelas palavras-chave, você oferece exatamente o que os usuários estão procurando no momento em que precisam.

Nesses casos, os consumidores já se encontram na etapa final da decisão de compra. Por isso, a conversão é mais propícia a acontecer. Também é mais fácil medir o retorno sobre o investimento.

A ferramenta é extremamente eficiente para campanhas que têm o objetivo de gerar conversões de maneira geral, como vendas, captação de leads, atração de tráfego, downloads de aplicativos, e-books.

Facebook Ads

O Facebook é capaz, principalmente, de atrair clientes que estão em estágios iniciais de interesse no produto/serviço. Ele é muito eficaz em estratégias que visam posicionar a marca, conectar clientes, gerar interesse e construir uma boa relação com usuários que se transformarão não só em consumidores, mas em fãs.

Por isso, apesar de conseguirmos direcionar o anúncio a um público bem específico, ele pode ter uma taxa menor de conversões. Nesse caso, o retorno sobre o investimento é mais difícil de calcular. Mas não se engane, você colherá resultados positivos em longo prazo!

No caso de um lançamento de um novo produto, por exemplo, usar os anúncios do Facebook (que podem ser direcionados ao Instagram também) pode ser muito mais eficiente do que do Google Ads. Afinal, as pessoas ainda não conhecem seu produto.

Objetivos e Formatos

A verdade é que ambas as plataformas oferecem diversas outras opções de anúncios com objetivos bem específicos. O Google, por exemplo, ainda disponibiliza anúncios gráficos na Rede Display e faz anúncios de vídeos divulgados no Youtube. Por sua vez, o Facebook também oferece formatos destinados à captação de leads e remarketing. Outra vantagem é que ele se conecta também ao Instagram, aplicativo que já alcançou mais de 100 milhões de usuários só nos Estados Unidos – Confira outras estatísticas bacanas aqui.

Para você compreender melhor, abaixo compartilho um quadro resumo com os objetivos de campanha disponíveis em cada plataforma. Qual é o seu?

Claramente, cada canal oferece algo que o outro não pode – o que significa que os profissionais de marketing não precisam realmente escolher entre um ou outro ao planejar uma campanha digital. O importante é poder superar suas armadilhas para aumentar o ROI e as conversões de clientes.

Sabemos que a melhor maneira é aproveitar os dados de seus clientes para fornecer conteúdo personalizado e segmentado em todos os seus canais, seja ele Google Ads ou Facebook Ads. E para garantir o sucesso da sua campanha, vale a pena contratar uma empresa qualificada para otimizar os resultados, independentemente da verba disponível.

Resumindo

Então, qual a melhor plataforma para divulgar meu negócio: Google ou Facebook Ads? A verdade é que cada uma das ferramentas trabalha de uma forma complementar, atuando em etapas diferentes no funil de decisão do usuário. Por isso, o ideal é que se construa uma estratégia utilizando as duas. 

Mas nem sempre, quando se está começando, tem o investimento necessário para poder utilizar os recursos de cada uma. Assim, dividindo os orçamentos, pode ser que você não encontre os resultados que você espera. Nesse caso, como saber por onde começar?

Para responder essa pergunta, existem dois fatores essenciais para que você entenda. O primeiro é: tenha clareza do seu produto. O segundo fator é entender bem o funcionamento de cada ferramenta. Qual é a etapa do funil que você vai trabalhar? Qual é a comunicação que você vai usar em cada uma delas?

Se você tiver um produto desconhecido e/ou uma solução nova, é interessante  trabalhar a parte do topo de funil de aprendizado e descoberta e reconhecimento de problema, o Facebook Ads é uma ótima opção.

Entretanto, se você estiver trabalhando com uma solução conhecida e/ou se você for uma autoridade conhecida no mercado, você pode ir direto para o fundo de funil com um investimento um pouco menor pra tentar fazer essa venda direta e ir direto para os anúncios no Google Ads!

Vantagens do Marketing Digital para o Microempresário

Vantagens do Marketing Digital para o Microempresário

O Marketing Digital oferece muito mais vantagens quando comparado à mídia impressa para o pequeno e médio empresário. Fazer Marketing é imprescindível em qualquer momento, mas quando se começa um negócio ou se tem baixo investimento, são necessárias ações menos custosas e assertivas que gerem resultados sólidos – e, para isso, é preciso saber usar as “armas” certas e não sair desperdiçando “balas”, segmentando bem os alvos que se quer atingir – e é aí que o Marketing Digital entra como uma poderosa ferramenta. Se você se enquadra nesse perfil, confira quais os grandes benefícios que você pode conseguir considerando-o em seus negócios:

1) Baixo Custo em Propaganda e Mais Flexibilidade
A primeira grande diferença entre a internet e a mídia impressa é que você determina o quanto quer/pode investir em anúncios e qual o período que deseja fazê-lo. Também é possível modificar seus anúncios e aperfeiçoá-los quantas vezes forem necessárias. E, por último, e não menos importante, você alcança uma quantidade devastadora de potenciais clientes. Não quer dizer que você não vai mais fazer uso da propaganda tradicional. Você poderá usá-la para informar aos seus potenciais clientes que o seu site existe e que eles podem encontrar soluções e informações valiosas.

2) Visibilidade da Marca (Branding)
Ultrapasse barreiras geográficas e atinja o Brasil e o mundo. Você consegue fazer com que seus negócios não fiquem restritos ao seu bairro ou localização geográfica. Ainda mais, com um ótimo SEO e geração de conteúdo, você pode aparecer constantemente nos resultados de busca e se tornar um “Top of Mind” online, associando o seu segmento de atuação à sua empresa para quem o busca, como um especialista.

3) Aberto 24 Horas e 07 Dias por Semana
Sua empresa nunca está fechada na internet – nos feriados, finais de semana, seja o dia qual for. A internet possibilita que o consumidor tenha acesso a você sempre que quiser, e você se torna ainda mais valioso quando tem conteúdo online que seus concorrentes não produzem.

4) Tudo Pode Ser Mensurado
Medir é Saber – o Marketing Digital é 100% mensurável, permitindo que se observe o que funciona, excluir o que não funciona ou aperfeiçoar o plano estratégico. Como dissemos, com um baixo investimento, deve-se ser assertivo, e é medindo que se consegue determinar para onde se deve focar as ações para alcançar cada vez melhores resultados.

5) Segmentação de Público-Alvo
Conhecer seu público-alvo é conhecer seu próprio negócio – e o meio digital permite que você entenda e segmente seu público de maneira eficiente, rápida e precisa, através de ferramentas como redes sociais e CRM.

6) Melhora Sua Credibilidade
Um site oferece a possibilidade de se relacionar diretamente com seus potenciais clientes, mostrar seus serviços ou produtos bem como alavancar a confiança da sua empresa no mercado. Quanto mais engajado seu mercado alvo tiver, mais positiva será a reputação da marca.

7) Permite Que Você Seja Estratégico e Eficiente
Com todas as facilidades acima, você consegue criar planos estratégicos que realmente funcionam, tem um controle maior do seu Marketing e consegue entender os pontos a serem melhorados e determinar metas mais concretas. Dominando o Marketing Digital, você deixa de correr atrás de clientes e passa a atrai-los – e seu negócio passa a ser Inbound.

Marketing barato e eficaz: 6 dicas para pequenas empresas

Marketing barato e eficaz: 6 dicas para pequenas empresas

Marketing barato e eficaz: 6 dicas para pequenas empresas. 

Marketing parece ser uma ferramenta cara, não é mesmo? Nem tanto assim. Nós selecionamos 6 dicas de marketing barato e eficaz para pequenas empresas com seus respectivos valores estimados para compartilhar com você que precisa de bons resultados com pouco custo. Confira!

1- E-mail Marketing – Quando foi a última vez que você conversou com seus clientes? É mais fácil nutri-los em vez de ir em busca de outros. O e-mail marketing pode se tornar uma ferramenta prática e rápida para fazê-lo. Mas antes de sair disparando e-mails, pense no tipo de mensagem que você quer enviar. Que tal uma mensagem divulgando algum conteúdo útil relacionado à última compra de seu cliente? Algo que possa realmente ajudá-lo a solucionar algum problema? Mantenha uma conversa construtiva, personalizada e amigável através do e-mail.

Preço: você pode encontrar pacotes de R$ 19,00 com disparo ilimitado para 1.000,00.

Nosso toque: não se esqueça, tudo com Opt-in!– que consiste na prévia autorização de seus clientes para receber os seus e-mails. Dúvidas sobre como funciona a regulamentação do e-mail marketing? Confira o Código de Autorregulamentação para prática de E-mail Marketing da ABEMD.

 2 – Redes Sociais – Não é de hoje que se sabe a importância das redes sociais na comunicação e o quanto as pessoas passam navegando por elas. Estar nas redes sociais de extra não tem mais nada, só se for o fato de ser extremamente importante. Segundo o Facebook, 1,4 bilhão de pessoas acessa a rede, e 900 milhões o fazem todos os dias. Além do mais, as redes sociais permitem uma segmentação e diálogo sem igual com o público : onde vive, idade, comportamento, o que gosta, o seu último check-in – informações valiosas para você saber o que oferecer e como oferecer, resultando em engajamento e impactando o resultado de suas vendas.

Preço: o valor vai depender do tipo de resultado que você espera. Mas, só para se ter uma noção, o investimento de R$250,00 no Facebook possibilita até 500 curtidas a mais em sua página do público que desejar, já que, como falamos, é possível segmentar seu público de uma maneira sem igual.

 3 – Blogs – blogging não é mais atrelado apenas a texto pessoal. Atualmente as empresas produzem conteúdos para se tornarem cada vez mais relevantes e presentes na vida das pessoas, com informações que geram interesse e solucionam problemas, ajudando, consequentemente, seus sites a conseguirem uma boa colocação nos resultados de busca. Afinal, não é por isso que você está lendo este texto neste blog? Porque a mensagem lhe interessa e você pode ter pesquisado pelo assunto.

Preço: inteiramente gratuito! Existem diversas ferramentas para blog, dentre elas o WordPress.

Nosso toque: não utilize blogs para vender produtos! Deixe apenas o espaço específico que já existe em seu site para isso. Crie conteúdo útil que tire dúvidas e é efetivamente pesquisado pelas pessoas. E não se esqueça da periodicidade! Veja seu conteúdo como uma revista eletrônica e deixe seus visitantes ansiosos pela sua próxima postagem!

 4- Landing Pages – são páginas distintas mas interligadas a algum conteúdo de seu site, que abrigam uma oferta correlata. Para receber essa oferta, fazer o download, ou ter acesso ao conteúdo, o visitante deve deixar seus dados. Essa prática é ótima para se conseguir leads.

Preço: inteiramente gratuito! Você pode utilizar ferramentas como o WordPress. Também existe a WishPond com o plano básico de R$ 45,00, que te dá mais algumas opções como sorteios e concursos nas redes sociais.

Nosso toque: o que você oferece é proporcional às informações que poderá conseguir do cliente. Pense em ofertas criativas, únicas e úteis para obter dados preciosos e mais precisos!

 5- Webinars – tem um produto muito técnico? Seu público é mais visual? Ou você simplesmente gosta de uma comunicação mais interativa? Considere produzir webinars, que são webconferências que podem esclarecer as dúvidas de seus clientes, ajudá-los a utilizar um produto, ou atualizá-los de seu segmento e estreitar o seu relacionamento com eles.

Preço: Existem ferramentas gratuitas como o Google Hangouts, mas o problema é que há um grande delay nos áudios e não há um chat integrado. Para evitar acontecimentos inesperados, existem empresas como a Eventials com planos a partir de R$69,00 por mês para que você faça o seu webinário, com alguns itens bem interessantes para deixar seu evento ainda mais estratégico.

6 – Unir todas as dicas anteriores em uma estratégia interligada de Inbound Marketing – Que tal juntar todas as ações e criar uma campanha bem estratégica, com a qual você possa medir os resultados, gerar 3 vezes mais leads do que as práticas que costuma utilizar e gastar muito pouco com isso? Se você se interessou pela ideia, veja o nosso artigo sobre o Inbound Marketing.

Nosso toque: percebeu como repetimos o termo útil nesse texto? É porque ser útil na vida de seus clientes é a chave para o sucesso, em qualquer comunicação e campanha de Marketing que se cria. Abuse de utilidade e criatividade!

Um toque extra – nós sabemos o quanto é corrido quando se tem um pequeno negócio, pois existem muitos fatores a serem gerenciados, mas Marketing é essencial. Se você acha que não terá tempo hábil para administrar o seu Marketing, considere contratar um profissional ou uma agência, pois se não houver um bom planejamento e uma correta execução das ações, os resultados não serão bons como o esperado e você estará desperdiçando o seu tempo e seu dinheiro. Com profissionais competentes, você terá campanhas poderosas que vão se auto pagar e cobrir o próprio valor dos profissionais, aumentar suas vendas e gerar mais lucro. Tenha em mente sempre a melhor estratégia a ser tomada e pense grande e a longo prazo!

Como fazer minha empresa aparecer na primeira página do google?

Como fazer minha empresa aparecer na primeira página do google?

Diferença entre Links Patrocinados e Busca Orgânica

Antes, é preciso entender a diferença entre busca orgânica e links patrocinados. Você não sabe? Não tem problema, nós explicamos.

Links Patrocinados, como o próprio nome sugere, são pagos para aparecem nas buscas através de uma espécie de leilão – quem dá mais tem a melhor colocação. O espaço para esses links é reservado na primeira seção da busca, cada qual com um símbolo característico indicando de que se tratam de resultados pagos.

Agora, se você descer um pouquinho, verá os resultados orgânicos – e as empresas não precisaram pagar por eles. Então qual é a mágica?

Palavras-chave

Você mesmo já deve ter se interessado por um tema e pesquisado no Google questões como: “O que é…?”, “Como fazer…?”, “Dicas….”, “Qual a diferença…?”. O Google processa milhares de perguntas como as suas, todos os dias, porque mais de 80% dos usuários recorrem a internet como um esclarecedor de diversas questões do dia-a-dia. Essas palavras digitadas nos buscadores são as palavras-chave. E é através delas que você otimiza seus conteúdos para aparecerem no Google.

Pesquisas do Google ao seu favor

Entendido como funcionam as buscas através do Google e o que são as palavras-chave, vamos apresentar a você o SEO – Search Engine Optmization. Essa conhecida sigla no mundo do Marketing Digital indica uma série de ações em programação, levando em consideração a pesquisa de palavras-chave do público-alvo. O profissional dedica seus esforços para deixar o site otimizado para o Google, isto é, de maneira que o Googlebot (considere como robôs que vasculham a internet analisando sites e conteúdos) rastreie sua página, faça a indexação (colocá-la em uma espécie de índice) e a publique – caso seja constatado que o conteúdo é relevante ao usuário -, sempre que pessoas buscarem aquele conteúdo, que deve conter as palavras-chaves pesquisadas.Se você estiver interessado no assunto, confira aqui como a pesquisa do Google funciona.

Seu site como esclarecedor de dúvidas

Quanto mais conteúdos você realizar, mais palavras-chave trabalhar, mais otimizado ficará o seu site. Mas o conteúdo deve ser relevante, útil e solucionar as questões de seu público. Nada de sair criando diversos textos irrelevantes, pois o Googlebot já é inteligente o suficiente para entender a relevância dos conteúdos e possui uma série de parâmetros para indexar o seu site nas buscas.

Pense em como você pode contribuir para o dia-a-dia das pessoas e, o melhor, como o seu produto é um solucionador de problemas. Tenha em mente que, com a internet, o poder de opinião está cada vez mais na mão dos compradores, e ser intrusivo não é mais a solução.

Quer saber mais? Então acho que você vai se interessar em saber um pouco do Inbound Marketing, que executa as ações que tratamos e vai além.

 

4 dicas para divulgar sua empresa nas redes sociais

4 dicas para divulgar sua empresa nas redes sociais

De acordo com um estudo realizado pela comScore, em 2015, os brasileiros gastam 650 horas por mês nas redes sociais e são os líderes mundiais em ficar vagando por elas. Mas antes de criar os perfis e cair no mundo das redes, veja essas principais dicas para fazer da sua marca um destaque social:

1 – Defina a melhor rede social

Imagine que você tem um escritório de advocacia. Parece não ser tão adequado gastar o seu tempo de social media no Instagram, pois é uma rede com apelo extremamente visual, não é mesmo? No entanto, se for dono de uma loja de roupas ou agência de turismo a rede parece ser uma boa ideia para fazer uma campanha. Portanto, a primeira dica é que você precisa entender qual das redes sociais se relacionam com sua empresa e que é o canal mais adequado para se comunicar com o seu público.

Entre as redes mais conhecidas, temos o LinkedIn que é mais profissional, onde você pode criar grupos de discussão e conseguir recomendações; o Facebook com característica mais pessoal que prega a interação entre amigos e compartilhamento de momentos, permitindo a criação de fanpages e grupos com campanhas em tom mais descontraído; o dito Instagram que tem o apelo totalmente visual; o Snapchat que permite o compartilhamento de vídeo curtos; o Twitter que tem como característica ser um microblog para compartilhar opiniões, pensamentos e citações em até 140 caracteres; além de muitas outras para incluir no seu plano de Marketing.

2 – Faça o planejamento

Veja a rede social como uma revista eletrônica que sempre tem conteúdo pontualmente. Faça uma programação de quantas vezes por dia ou por semana, dependendo do seu negócio e da rede, serão feitas as suas postagens. Mas cuidado para não ser repetitivo ou fazer postagens em excesso! Entenda o “fluxo” de cada rede: facebook, twitter e instagram pode ser adequado fazer 2 posts por dia, enquanto no LinkeIn seria pertinente 2 posts por semana.

3 – Fale menos de você mesmo

Ninguém vai seguir sua empresa nas redes para ficar toda hora lendo o quanto você é bom naquilo que faz ou para saber o tempo que atua no mercado. Você pode mostrar o quanto é bom de uma outra maneira: utilizando o seu conhecimento para gerar conteúdo agrega a vida das pessoas. Tem uma loja de roupas? Dê dicas de moda utilizando suas roupas. Faça as pessoas terem interesse em sua mensagem e perceberem o quanto você pode ser relevante no dia-a-dia.

Uma pesquisa realizada pela Fleishman Hilard em conjunto com a Harris Interactive aponta que 79% das pessoas segue a marca para obter informações relevantes em vez de descontos e promoções, e 73% para obter informações exclusivas. Portanto, tenha em mente que você pode ser um agregador de valor. Descontos e promoções estão liberados, mas com cautela e não com muita frequência!

4 – Relacione-se

A própria denominação já diz, são redes sociais. Utilize-as para relacionar-se com seus clientes. Faça parte da conversa, monitore o que estão falando de sua empresa e responda com personalização para não parecer um spam. Na mesma pesquisa já citada realizada por Fleishman Hilard em conjunto com a Harris Interactive pode-se entender que 69% das pessoas segue uma marca para obter respostas positivas. Portanto, aproveite a oportunidade para criar uma aproximação e até para apaziguar relatos de clientes insatisfeitos.

Para que serve o Marketing? Agência de Marketing Digital em Sp

Para que serve o Marketing? Agência de Marketing Digital em Sp

Para entender o que é Marketing, pense consigo mesmo: por que existem produtos e serviços?

O ser humano possui necessidades. A cada momento de nosso dia, estamos consumindo produtos e serviços: desde o café da manhã que tomamos, do tênis especial que colocamos para correr, dos produtos de higiene, da roupa que utilizamos para sair, até o travesseiro que repousamos ao final de um longo dia. Quando você para para refletir sobre essa questão, não é exagero dizer que praticamente respiramos produtos e serviços. E o Marketing está aí para isso: ele está presente como o planejamento de um conjunto de práticas que identificam e satisfazem as necessidades de um mercado-alvo, através de produtos e serviços ofertados por empresas, gerando o lucro para estas e a satisfação das necessidades do público, como uma troca.

“Poxa, parece simples. Então eu já faço Marketing na minha empresa todos os dias com os meus negócios”– você pode pensar. Bom, mais ou menos. Vamos entender o porquê.

Se formos pensar o Marketing como mero identificador de necessidades que satisfazem as pessoas, ele sempre existiu, desde quando o homem surgiu. Porém, por volta de 1900, com os frutos da produção em larga escala da Revolução Industrial, os negócios de diversos setores começaram a crescer e a concorrência ficou acirrada. Os anos vão se passando e, cada vez mais, os consumidores são encurralados por muitas opções que atendem às suas necessidades, o que foi gerando uma certa comodidade para as pessoas, mas mais trabalho para os empresários. Atender às necessidades das pessoas ficava cada vez mais complexo, mudando a máxima de que a clientela vai até o estabelecimento para a nova realidade da necessidade de correr atrás de clientes . Assim, entendeu-se que uma nova área precisava ser estudada e especialistas iniciaram a criação de teorias de como atrair a clientela em meio ao crescente mercado – e aí o Marketing nasce como uma ciência.

Essa ciência se baseia em variáveis, os conhecidos 4 Ps – ou Mix de Marketing – que norteiam as ações a serem tomadas:

Preço: literalmente quanto vale o seu produto ou serviço. Ele depende de fatores como custos, valor agregado, concorrência e engloba condições e período de pagamento,

Praça: onde o cliente pode encontrar seu produto. A internet mudou a forma como esse P era visto pelos especialistas.

Produto: refere-se às características do produto. Assim, entende-se a quem e para qual finalidade esse produto pode ser negociado.

Promoção: engloba a comunicação, a publicidade e propaganda e, enfim, as estratégias de divulgação para atrair os clientes. Nesta área, é importante o auxílio de especialistas, pois é a área responsável pela comunicação de seus negócios com o mercado-alvo.

Além desses Ps, recentemente foram surgindo outros, como o de Paixão (o que transforma as pessoas em completos admiradores da marca).

Como o mercado nunca para se crescer, o Marketing tradicional ganhou diversas vertentes, que a cada momento, com o avanço e mudanças em áreas tecnológicas, econômicas e comportamentais, se fortificam, se reformulam e até impulsionam a criação de novas, tais como: Marketing Digital, Inbound Marketing, Outbound Marketing, Marketing de Exclusividade, Marketing de Incentivo, Endomarketing, Marketing Esportivo, Marketing Cultural, Remarketing, Marketing Direto, Marketing Indireto, Marketing de Conteúdo, Marketing Promocional, Live Marketing, Marketing de Guerrilha e muitos outros Marketings que um bom especialista compreende e sabe utilizá-los em prol de seus negócios.

O profissional de Marketing relaciona esses Ps às diversas vertentes, para criar estratégias coordenadas em um plano de marketing ideal. Estratégias efetivas são aquelas que refletem a melhor proposta de valor para os consumidores e atraem um mercado-alvo definido. Esse especialista sabe como agir conforme cada cenário, levando sempre em consideração o seu público-alvo, e entende que as variáveis do Mix de Marketing se relacionam e se afetam entre si; por exemplo, quando uma empresa decide que a sua base competitiva é o preço, todas as outras variáveis, bem como as vertentes de Marketing escolhidas, vão dar suporte a ações cuja a característica preço é agressiva.

Fale com seu especialista. Ele certamente o ajudará a traçar os seus 4 Ps de maneira eficaz e fará um bom plano de Marketing.